Laboratório ibero-americano de Inovação Cidadã #LABiCBR

labic

Ja começa o #LABiCBR! Serão 2 semanas de intensa colaboração, trabalho em equipe, inovação cidadã, aprendizagens compartilhados, experimentação, novas idéias, novos amigos e muito mais.

>> Acesse aquí a programaçao completa

>> Inscreva-se para assistir às falas e workshops

Conheça os projetos e os participantes

1. Aprender Brincando

Nome:
Aprender Brincando: tessituras afetivas e poéticas para a aprendizagem em rede
Descripção:
Propomos o desenvolvimento de um kit contendo objetos digitais e analógicos que possibilitem a realização de tessituras afetivas e poéticas para a aprendizagem em rede e tecnologias sociais que possam provocar e produzir afetos e vínculos, propiciar o desenvolvimento de ambientes de aprendizagem e produção de conhecimento articulados colaborativamente e em rede, voltados para a educação formal e informal de um público infanto-juvenil.O nosso objetivo é desenvolver metodologias e uma arquitetura de ambiente que propicie formar crianças e jovens para o exercício da construção colaborativa de conhecimento, para a aprendizagem em rede e para o desenvolvimento e gestão de projetos colaborativos que integrem as diversas áreas de conhecimento e proponham iniciativas e soluções inovadoras que transformem o cotidiano das comunidades em que estão inseridos. Necessário também resgatar e preservar saberes ancestrais e tradicionais que nos possibilitem realizar a transição para novas formas de gestão do cotidiano, dos vínculos, da tessitura de redes afetivas, autônomas e livres. A educação tem um papel fundamental nesse sentido e, em especial, a educação de crianças e adolescentes.Também temos muito a aprender sobre as dinâmicas de tessituras de redes com nossas crianças e jovens.Há muito o que investigar e desenvolver e, principalmente, o desafio de tornar essa experiência replicável e passível de ser apropriada por escolas e comunidades no contexto ibero-americano agregando e ao mesmo tempo preservando nossa diversidade e especificidades. Vamos tecer essa rede?Esperamos prototipar um kit contendo uma coletânea de objetos digitais e analógicos para o desenvolvimento de laboratórios abertos e tessituras afetivas e poéticas para aprendizagem em rede em escolas e espaços informais de aprendizagem que atuem com um público infanto-juvenil e criar uma rede iberoamericana de desenvolvimento, disseminação e trocas de dinâmicas, estratégias e metodologias de aprendizagem colaborativa em rede.
Participantes 
Nome País
Izabel Gourdart Brasil
Fernando Gularte Uruguay
Déborah Oliveira Brasil
Prisicila Gagdea Lorenz Brasil
Denise Rey Argentina
Josefina Jiménez Palacios Perú
Josselin Stephania Castro Briones México
Rogério Santana Lourenço Brasil
Ivanna Peralta Chavez Bolivia
Kelly Ferreira de Lima Kelly Saura Brasil

2. Caixa Mágica de Participação Social

Nome:
Caixa Mágica de Participação Social
Descripção:
O estabelecimento de novas formas de comunicação e o aumento da interatividade humana, coloca em voga as discussões acerca da participação social em processos coletivos. Dentro do governo percebemos iniciativas como o Participa.br, o Dialoga Brasil, o Pensando o Direito e tantos outros que colocam a participação no centro da ação política coletiva. No entanto, apesar de louváveis, essas iniciativas acabam construindo macro processos de participação e tem certa dificuldade de diálogo com micro processos em territórios ou grupos sociais minoritários.
Por isso, a Caixa Mágica de Participação surge com o objetivo de aproximar as práticas de ação política cotidianas e territorializadas das macro discussões políticas, sugerindo os elos para narrativas pulverizadas, ao mesmo que também explicitando demandas e debates que poderiam estar restritos a pequenos grupos sociais e políticos. Dessa forma, ao mesmo tempo que possamos ter grupos campesinos organizando processos de decisão, também estudantes poderiam usar a tecnologia para facilitar ode debates durante um congresso estudantil.
Além disso, o conjunto de ferramentas disponibilizadas pela Caixa apresenta-se como facilitador de processos de discussão e deliberação, sendo esta a principal motivação para o seu uso e apropriação por grupos sociais e políticos que agem coletivamente e participativamente.
O resultado esperado é um protótipo que ofereça um pequeno leque de ferramentas de participação através de uma conexão wifi sem necessariamente estar conectado a internet.
Participantes
Nome País
Ricardo Augusto Poppi Martins
Brasil
Marco Konopacki
Brasil
Mariel Zasso
Brasil
Renato Fabbri
Brasil
Erick Berssaín García Ventura
México
Ana Karen Moreno Ramos
México
Daniel Vásquez Paredes
México
Thomaz Anderson Barbosa da Silva
Brasil
Carolina Tarrio
Brasil
Luis Astorquiza
Colombia
Carlos Espinosa Llerena
Ecuador

3. Cargografías

Nome:
Cargografías
Descripção:
Cargografías é uma linha do tempo que nos permite visualizar a carreira dos funcionários públicos do governo. Permite ao eleitor, jornalista ou pesquisador visualizar, analisar e/ou comparar os caminhos dos políticos durante a sua carreira. Os cargos que tiveram, os partidos que fizeram parte e outros dados, como o enriquecimento, quantidade de votos, cargos não completados etc. Cargografías pretende centralizar a informação sobre os funcionários do governo para que possa ser facilmente acessada e compreendida pela população em geral. www.cargografias.orgA idéia é que durante o LABiCBR podam-se sumar mais visualizações, módulos, ideias, modos de ordenar cargos, etc.
Participantes
Nome País
Andres Snitcofsky
Argentina
Gabriela Belmont de Farias
Brasil
Marlene Duarte
Brasil
Arysbell Arismendi Velásquez
Venezuela
Oscar Germán Beltrán Ortega
México
Francisco Javier Ixba Linares
México
Deivi Kuhn
Brasil
Natalia Mazotte
Brasil
Gabriela Quiroz
Ecuador
Pedro Oswaldo Hernández Santamaría
Colombia

4. Modelo de rádios comunitárias não piratas no Brasil

Nome:
Criação de modelo de rádios comunitárias não piratas no Brasil através da geração de capacidades
Descripção:
Este  projeto  é  baseado  no software SHOUTcast,  que  é um  programa  que realiza  a  transmissão  de  conteúdo  de áudio  digital nos  formatos  MP3  e  AAC, permitindo  a criação de estações de rádio online.  O Centro  de Inovação da Vila Nova Esperança vem utilizando um setup similar para colocar no ar uma rádio
online em uma rede mantida por moradores da comunidade.Tendo isso em vista, o Centro de Inovação da Vila Nova Esperança está trabalhando em um modelo barato e confiável que não viole os regulamentos, com o intuito de que ele possa substituir as estações de radiodifusão comunitárias clandestinas desenvolvendo assim a primeira rádio comunitária não pirata no Brasil com o objetivo de alcançar um fluxo mensal de 500 moradores como usuários locais por comunidade.Assim, a medida em que os aspectos técnicos deste projetos sejam melhor conhecidos e se tornem mais refinados e integrados, ele se torne a primeira rádio comunitária online plug-and-play do Brasil e que este modelo consiga ser transplantado com sucesso para outras comunidades da América Latina gerando assim uma plataforma de geração de conteúdo cultural e educacional relevante.
Participantes
Nome País
 Julio Cesar Lavalle Garces
Brasil
Jose Rafael Cortes Leon
México
Pedro Garbellini da Silva
Brasil
Juan David Reina Rozo
Colombia
Sandra Auharek
Brasil
Guilherme Lunhani Cravelho
Brasil
Raquel Pires Sales
Brasil
Gisele Motta Ferreira
Brasil
Carlos Rivera
México
Lourenço Ribeiro Filho Guinê Ribeiro
Brasil

5. HiperGuardiões

Nome:
HiperGuardiões
Descripção:
O projeto envolve a criação de uma unidade de monitoramento de qualidade da água, ar, e observação de biodiversidade, utilizando hardware livre/de baixo custo, software livre atrelados ao conhecimento ecológico da população local. Essa estação funcionará como uma ZASF (Zona Autônoma Sem Fio), distribuindo as informações coletadas e da biodiversidade  em um determinado raio, acessível para a população local. Os dados coletados por essa unidade de monitoramento serão transmitidos para uma plataforma aberta, disponível na internet e alimentarão um mapa do território. O objetivo é desenvolver no LABiCBR um protótipo dessa unidad de monitoramento, e experimentar o seu funcionamento no terreno no Rio de Janeiro, para que no futuro   possa ser replicado pela população local onde o dispositivo seja instalado. Com isso, formar uma rede de monitoramento que auxilie na preservação ambiental e também fomente processos de empoderamento estimulando a zeladoria dos recursos ecossistêmicos e políticas públicas que valorizem os serviços ecossistêmicos prestados.
Participantes
Nome País
Maira Begalli
Brasil
Thiago João Miranda Baldivieso
Brasil
Edgar Gerardo Navarro Cárdenas
México
Gustavo Fonseca
Brasil
Thiago Morais Ceratti Ribeiro
Brasil
William Oswaldo Torres Quitian
Colombia
Ricardo GuimaSan
Brasil
Luiz Menezes
Brasil
Erik Rivera
México
Luiz Blanes
Brasil

6. Jardines Suspensos

Nombre:
Jardines Suspensos
Descripción:
é um projeto artístico de intervenções urbanas em favelas e consiste em instalar coberturas de gramado natural (teto verde) em lajes de casas populares e outros locais de uso comum. A ação deverá se dar com a participação dos moradores através de oficinas com jovens da comunidade e da organização de mutirões. Jardins Suspensos busca refletir sobre a relação entre o agente humano e a natureza, sobre nossos ideais de lazer, cultura e qualidade de vida, e sobre nossa capacidade de mobilização e transformação da realidade que nos cerca. Trata-se de pensar a arte como uma plataforma para refletir sobre o presente e imaginar futuros em construção.Os modernos centros urbanos buscaram distanciar o espaço da natureza e o espaço do homem – projeto fundado na ilusão de separação entre natureza e cultura construída pela ciência moderna. Através do asfalto e do concreto, as cidades tornaram-se impermeáveis, lutando contra o movimento orgânico das florestas e dos rios. Esta separação entre homem e natureza demanda muita manutenção – e hoje já conhecemos suas consequências desastrosas.As cidades contemporâneas pedem uma urgente transição para ocupações mais integradas na natureza, fundadas na resiliência e na cooperação entre espécies. Para isso é preciso transformar a mentalidade que nos separa da natureza e vê o orgânico (a terra, o rio, o mato, a moita) como sujeira. Repensar estas questões é fundamental para transformar hábitos urbanos.Nas favelas do Rio de Janeiro as lajes tornaram-se locais privilegiados, potencializados pela cultura e pelo lazer. É na laje que toma-se sol, banho de mangueira, empina-se pipa, contempla-se a vista, ouve-se música, entre tantos outros usos criativos. O projeto Jardins Suspensos busca agir neste que é um dos principais locais de lazer das comunidades para propor uma aproximação entre a experiência urbana e a natureza, associando plantas à cultura, saúde, bem estar e criatividade. Os gramados são uma primeira iniciativa para infiltrar o verde no cotidiano das pessoas, e podem se expandir em jardins verticais, composteiras, hortas caseiras, captação de água da chuva, entre tantas possibilidades estéticas e ecológicas. Pensada a partir do contexto da cidade do Rio de Janeiro, o projeto poderá se expandir para outras cidades e países que enfrentem o desafio de transformar ocupações populares não-planejadas em ambientes sustentáveis e saudáveis, utilizando técnicas de construção ecológica para criar soluções de moradia, lazer e saneamento.Jardins Suspensos é fundado na ideia de colaboração, participação e mobilização social para a produção de uma experiência urbana-estética compartilhada. O Complexo da Maré, no Rio de Janeiro, foi escolhido para o primeiro programa piloto, e para o LABICBR propomos o desenvolvimento do projeto com a ajuda da consultoria técnica, a construção de um protótipo em maquete da intervenção, além da organização do projeto em um documento detalhado que poderá ser compartilhado e servirá como base para as futuras etapas.Colaboradores serão muito bem vindos! Apostamos na força das parcerias para tornar este projeto uma realidade.
Participantes
Nome País
Marina Fraga
Brasil
Julia Rossi
Brasil
Lucia Benavides
México
Clara Meliande
Brasil
Concepción Isabel Artero Requena
Chile
Vanessa Rodriguez Gomez
Ecuador
Gilberto Macruz Inácio
Brasil
Lady Angelica Jimenez Betancourt
Colombia
Henry Alfonso Diaz Avendaño
Colombia
Rafael Barcellos Santos
Brasil

7. Monitoramento Comunitário de Focos de Vetores de Dengue no Brasil e América Latina

Nome:
Monitoramento Comunitário de Focos de Vetores de Dengue no Brasil e América Latina
Descripção:
O objetivo desta proposta é o desenvolvimento de uma tecnologia que viabilize o monitoramento comunitário de mosquitos vetores da dengue no Brasil e demais países iberoamericanos afetados pela doença. Em uma escala inédita, a abrangência do monitoramento poderá ser detalhada ao nível de bairros, ou até mesmo de quarteirões ou ruas. Importante ressaltar que além da dengue, o mosquito Aedes aegypti é também potencial transmissor de febre amarela, febre zika e chikungunya.Criaremos um mapa online onde a população e agentes públicos poderão  visualisar dados georreferenciados sobre a ocorrência de mosquitos Aedes em tempo real. Para a coleta dos dados utilizaremos uma metodologia já consolidada, as ovitrampas, iscas simples que simulam um ambiente propício para a deposição de ovos pelas fêmeas dos mosquitos. O cidadão confeccionará e instalará as ovitrampas, e seguindo uma periodicidade pré-determinada fotografará as palhetas com seu celular, utilizando o aplicativo a ser desenvolvido. As fotos serão enviadas para o servidor onde um software realizará a contagem automática dos ovos e extrairá os metadados geográficos e de data e hora dos arquivos. Os dados serão então disponibilizados no mapa coletivo online, onde a comunidade e poder público poderão visualizar os focos de vetores e assim elaborar estratégias precisas e urgentes para o combate de focos de mosquitos, priorizando as áreas mais críticas.
Participantes
Nome País
 Odair Scatolini Junior
Brasil
Caio Cardoso Lucena
Brasil
Henderson Matsuura Sanches
Brasil
Gerusa Belo Gibson dos Santos
Brasil
Izabel Reis
Brasil
Beatriz Guerra Buezo
España
Johana Katherine Pacheco Tochoy
Colombia
Miguel Salazar
México
Whiston Kendrick Borja Reyna
Perú
Ana Tarrisse
Brasil

8. Praça: instruções de uso

Nome:
Praça: instruções de uso
Descripção:
‘Praça, instruções de uso’ visa mobilizar recursos materiais e imateriais durante duas semanas com a colaboração de uma equipe pluridisciplinar em parceria com uma comunidade do Rio de Janeiro. O objetivo é fazer juntos um protótipo de ‘Praça’ baseado em experiências anteriores que possa ser documentado e sistematizado para livre reprodução em qualquer outro lugar. Isso só será possível com a colaboração da comunidade e com ajuda de tecnologias abertas.Os recursos necessários estão escondidos em nossas latas de lixo, nossos aterros e em galpões de materiais usados de prefeituras e empresas. Para transformar esses recursos na matéria-prima de nossa ‘Praça’, precisamos resolver um problema de desenho.A participação é a acção na qual fazemos valer a força de trabalho da comunidade como um recurso. Todos podem participar de alguma forma. Quanto mais as tarefas que compõem as metodologias considerarem a possibilidade de colaboração entre vários grupos etários, especialmente aqueles considerados menos produtivos, como crianças e aposentados, maior será o valor para a comunidade como um todo.As tecnologias simples e acessíveis para todos podem transferir rapidamente  esse conhecimento através das redes sociais e culturais.Nós queremos que redes como Pontos de Cultura do Brasil e seus equivalentes em outros países iberoamericanos possam se apropriar desse conhecimento e levá-lo ao campo dentro das proporções adequadas.A mobilização de recursos, participação e conhecimento no contexto da periferia pode criar uma mudança positiva na dinâmica de vida da comunidade. Ao transformer lugares abandonados pelos cidadãos e pelo poder público em espaços produtivos de troca de bens imateriais, estamos ajudando a desenvolver uma economia que não se baseie exclusivamente no valor financeiro.
Participantes
Nome País
Miguel Rodríguez Cruz
España
Diogo Cunha
Brasil
Talita David Luiz
Brasil
Gabriel Visconti
Venezuela
Jose Eduardo Yáñez Vázquez
México
Radames Navarro
Panamá
Simone Oliveira
Brasil
Alejandra Morales Marín
México
Natalia Leves
Argentina
Simon Fique Morales
Colombia

9. Redes de telecomunicações comunitárias

Nome:
Redes de telecomunicações comunitárias
Descripção:
O trabalho pretende montar um grupo multidisciplinar de pessoas, tecnologias e conteúdos, que elabore uma rede de telecomunicações útil em 12 dias, ao mesmo tempo em que estabelece a linha de trabalho para fazê-la crescer ao longo dos próximos cinco anos em diferentes lugares da Iberoamérica. Para alcançar esse objetivo é necessário o estudo do entorno sociotécnico e, de acordo com as conclusões, construir em software e em antenas a infraestrutura útil para o desenvolvimento da rede pelos próprios usuários, de uma maneira econômica, usável e simples que facilite seu crescimento exponencial. Para isso a tecnologia inicial usada será a Wifi nos diferentes níveis em que se trabalha o conjunto de protocolos ao mesmo tempo em que se estudará a viabilidade de desenvolvimento de redes de fibra ótica. Entraremos em contato com criadores de redes de toda a Ibero-América, tanto com hacktivistas como com criadores de redes convencionais.Todo software desenvolvido é e será software livre, assim como a documentação que formará parte da nossa enciclopédia wiki do desenvolvimento tecnológico cidadão:  http://wiki.guifi.net
Participantes
Nome País
 Ál Cano Santana
España
Fernando Castro
Colombia
Élbio Henrique  Mendes Ribeiro
Brasil
Ítala Herta
Brasil
Pedro Vidal Diaz
Brasil
Daniel Cotillas Ruiz
Bolivia
Juan Carlos Claros Guzman
Bolivia
Cristian Zwick
Argentina
Mariana Cerdeira
Argentina
Beatriz Helena Ramsthaler Figueiredo
Brasil

10. Sinergia da Diversidade Ibero-Americana

Nome:
Sinergia da Diversidade Ibero-Americana
Descripção:
A proposta é desenvolver uma pesquisa-ação-participativa envolvendo participantes dos 10 labs que acontecerão no evento, bem como um tutorial que será disponibilizado pela internet para que possa se replicar o experimento.A metodologia nasceu do encontro entre ponteirxs, gestores, artistas, ativistas, e pesquisadorxs inspiradxs no exercício da gestão participativa. Com o objetivo de monitorar, avaliar, entender e sistematizar de maneira e diversificada os impactos da política pública em ação, este movimento originou o GT Pesquisa Viva, durante a Teia da Diversidade, 2015. O diferencial  é que xs participantes são sujeitos, construtores/formuladores de todo o instrumental metodológico da investigação. O papel dx facilitador/pesquisador é compartilhar técnicas para construir pontes entre saberes de forma que todos possam contribuir formulando e e motivando reflexões de sujeitos participantes.
Participantes
Nome País
Marcella Camargo
Brasil
Zeilane Fernandes
Brasil
Bernardo Marques
Brasil
Adela María Lemus Gutierréz
El Salvador
Gabriel Bettin Camelo
Colombia
Leonides Bautista
Guatemala
Jaqueline Herodek Lemos
Brasil
Tony Marcelino Mendonça Mendes
Venezuela
Ane Elyse Fernandes Silva
Brasil
Juan Xavier Villavicencio Vazquez
Perú

10. Todas as tuas idéias: protocolo para activar processos participativos no espaço público

Nome:
Todas as tuas idéias: protocolo para activar processos participativos no espaço público
Descripção:
Todas as tuas idéias se apresenta como uma metodologia para gerar oportunidades de participação, debate e propostas feitas por cidadãos. O processo é baseado em uma pergunta inicial: “Como você melhoraria a sua rua, sua praça, o seu bairro?”. E partir dessa pergunta, a proposta de considerar os moradores como agentes ativos na construção da sua cidade, como conhecedores diretos das necessidades e potencialidades específicas do seu território. O projeto Todas as tuas idéias é uma oportunidade para os moradores proporem idéias para melhorar sua cidade.O projeto é criado por trabalhadores e, acima de tudo, por moradores de General Roca, Argentina, e interessados no desenvolvimento urbano da mesma. Sem nenhuma ligação partidária, o TTI visa aumentar a energia e criativida cidadãs, esse capital latente que se encontra distribuído pela cidade. Aqui, o TTI pode ser visto como um canal para transformar protestos em propostas cidadãs.Abordar dessa maneira o processo participativo requer uma colaboração entre vários atores: os que, por seus cotidianos, conhecem seus bairros, seus pontos fracos e fortes, e os que possuem conhecimentos técnicos capazes de elaborar propostas tangíveis para as diversas áreas da cidade. Dessa maneira, se busca romper com a visão urbana única, vinda do “experto”: acreditamos que ninguém conhece melhor as necesidades (e potencialidades) de um bairro que o morador que vive nele. Ao mesmo tempo, a realidade tecnológica contemporânea permite a incorporação de novos modelos de participação através de canais ativos de comunicação. O TTI deve ser considerado como uma metologia para organizar essa colaboração.
Participantes
Nome País
Mariano Martino
Argentina
Mayã Martins
Brasil
Larissa Galdino de Magalhães Santos
Brasil
Ingrid Hernandez
México
Aline Ollertz Ortenblad
Brasil
Rafael García Casares
España
Rubén David Zavala Rodríguez
Ecuador
Ingrid Marcela Quiroga Mosos
Argentina
Ivo Santiago Beracasa Villarraga
Colombia
Patrícia Cioffi de Mattos
Brasil

12. VirtualCidade

Nome:
VirtualCidade
Descripção:
VirtualCidade é um projeto experimental baseado na hipótese de que é possível capturar simultáneamente duas dimensões da vida urbana: a “objetiva” (medível a partir de cifras de dados), e a  “subjetiva”  (somente compreendida a partir da presença física) a través de interfaces de realidade virtual.As cidades e seus habitantes produzem diariamente mares de dados (de mobilidade, de consumo, de ecología, de saúde etc.). São informaçoes que permitem, potencialmente, entender as dinâmicas subjacentes à vida urbana. Esses dados são, contudo, uma representação “parcial” da cidade, já que se referem a abstrações nas que se perdem os espaços físicos, o decorrer da vida cotidiana. Esses aspectos que escapam dos dados convencionais também fazem parte da atividade da cidade.Para isso, usando visores de realidade virtual de baixo custo (Google cardboard) que permitam o uso de um smartphone como tela, se realizará um mapa interativo do Rio de Janeiro que incluirá vídeos e imagens 360, paisagens sonoros em áudio-3D e visualizações ubíquas de dados.
Participantes
Nome País
Sergio Bromberg Dimaté
Colombia
Cesar Vidigal
Brasil
Raquel Cordeiro
Brasil
Franciso Antonio Bustos Lopez
España
Eduardo Camargo
Brasil
Brenda Espindula
Brasil
Mario Alejandro Alzate Lopez
Colombia
Omar Niño Guzmán
Colombia
Marcos Rojas Sosa
México
Julia Gianella
Brasil

 

colabspt

email

This post is also available in: EN, ES

Uso de cookies

Utilizamos cookies propias y de terceros para realizar análisis de uso y medición de nuestra web para poder mejorar nuestros servicios. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí.

ACEPTAR